O ex-presidente Lula, condenado por corrupção e lavagem de dinheiro, tem até às 17h de hoje para se apresentar

(Andressa Anholete/AFP)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado a 12 anos e 1 mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro, disse hoje que não deve se apresentar voluntariamente à sede da Polícia Federal (PF) em Curitiba, como exige o despacho do juiz federal Sérgio Moro que determinou a prisão do petista.

A recusa de Lula foi confirmada pela assessoria de imprensa do petista, que informou que a decisão oficial é aguardar o resultado de um pedido de habeas corpus apresentado ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) pelos advogados de defesa.

Para especialistas consultados por EXAME, o mais provável é que Lula negocie a entrega em outro local, como a sede da PF em São Paulo.

Para isso, explica o criminalista Carlos Eduardo Scheid, doutor em Direito, a defesa deve entrar com um pedido formal e justificar os motivos de o presidente não realizar a viagem.

A Polícia Federal informou que, pelo menos até o meio da manhã, não estava prevista a apresentação do ex-presidente à sede da instituição, localizada na Lapa, zona oeste da cidade.

No caso de Lula não se apresentar à PF até às 17h, horário limite estabelecido no despacho de Sérgio Moro, agentes da Polícia Federal devem cumprir um mandado de captura. Segundo a revista Veja, a PF já tem um esquema pronto para agir nesse caso, com 350 agentes em prontidão, incluindo alguns que têm seguido os passos do ex-presidente.
Juristas consultados pela coluna de Míriam Leitão, no jornal O Globo, afirmaram que se houver algum incidente de violência que atinja quem quer se seja, será considerado responsabilidade de Lula.

Desde a noite de ontem, Lula está na sede do Sindicato dos Metalúrgicos em São Bernardo do Campo (SP) reunido com seus aliados.

Fonte/Créditos: EXAME