Organizações de defesa dos animais denunciam a alegação japonesa.

Imagem feita pelo braço australiano da ONG Sea Shepherd mostra três exemplares de baleia Minke capturados pelo navio japonês Nisshin Maru (Foto: Tim Watters/Sea Shepherd/AFP)

Os japoneses mataram 177 baleias na costa nordeste do arquipélago no Pacífico, em uma missão que teria “fins científicos”, segundo anunciou nesta terça-feira (26) a agência de pesca japonesa.

Três navios especializados em caça às baleias iniciaram a missão em junho e capturaram 43 baleias Minke e 143 baleias-sei, de acordo com a agência. Segundo os japoneses, a caça às baleias seria “necessária” para calcular a quantidade de potenciais capturas a longo prazo, justificou a agência, que tem como objetivo “retomar algum dia a pesca comercial”, segundo explicou o funcionário da agência Kohei Ito.

O Japão é signatário da moratória da caça às baleias da Comissão Baleeira Internacional (CBI), mas afirma que recorre à medida com fins de pesquisa, no Pacífico e na Antártica. As organizações de defesa das baleias denunciam a alegação japonesa, assim como vários países, que consideram que Tóquio utiliza de maneira desonesta uma exceção da proibição da caça aos cetáceos, de 1986.

Em 2014, o Tribunal Internacional de Justiça exigiu de Tóquio o fim da caça às baleias no Atlântico, por considerar que os japoneses não cumpriam os critérios científicos exigidos. O Japão cancelou a temporada de caça de inverno de 2014-2015, mas retomou a pesca no ano seguinte.

Exemplar de baleia Minke encalhada em praia do litoral da Escócia (Foto: Graham Stuart/AFP)

Confrontos entre baleeiros japoneses e defensores dos animais
O Oceano Antártico já foi cenário de confrontos entre baleeiros japoneses e defensores dos cetáceos. No mês passado, a organização ecologista Sea Shepherd anunciou a desistência de tentar impedir a ação dos baleeiros japoneses no Sul, reconhecendo seus próprios limites ante a potência marítima nipônica.

A Noruega, que se opôs à moratória de 1986 e considera que esta não a afeta, e a Islândia, são os únicos dois países no mundo que praticam abertamente a caça comercial. O Japão tenta provar que a população de cetáceos é suficientemente grande para suportar a retomada da caça comercial.

O consumo da baleia tem uma longa tradição no Japão, onde a caça é praticada há muitos séculos. A indústria baleeira teve seu auge depois da Segunda Guerra Mundial. Mas a demanda dos consumidores japoneses caiu consideravelmente nos últimos anos, o que provoca muitos questionamentos sobre o sentido das missões científicas.

 

Fonte/Créditos: G1